Cadernos de Seguro

Entrevista

“As provisões técnicas são consequência do binômio ‘risco-seguro’”

Paulo Pereira Ferreira e Cristina Cantanhede Amarante Mano

Autores do livro “Aspectos atuariais e contábeis das provisões técnicas”, lançado recentemente pela Escola Nacional de Seguros – Funenseg, Paulo Pereira Ferreira e Cristina Cantanhede Amarante Mano afirmam que as provisões técnicas são “um instrumento fundamental” na gestão de empresas que assumem riscos, como seguradoras e resseguradoras, por exemplo. “Se as provisões estiverem superdimensionadas, elas comprometem a distribuição de lucros da empresa. Por outro lado, se estiverem subdimensionadas, elas podem conduzir à insolvência da empresa”, atentam.

Nesta entrevista exclusiva, Paulo e Cristina indicam como as provisões técnicas podem ter um papel relevante para ajudar na solução da crise mundial, apontam a contribuição da obra para o desenvolvimento do recém-aberto mercado de resseguro no Brasil, frisam a importância do trinômio “seguro-risco-provisões técnicas” e torcem para que o livro crie uma interação maior entre atuários e contadores, para que o cálculo atuarial deixe de ser visto como uma "caixa-preta".

[B]Antonio Carlos Teixeira[/B]


[I][B]Qual é a contribuição da obra para a comunidade atuarial?[/B][/I]


[B]PAULO PEREIRA FERREIRA[/B] – Nosso livro é uma publicação pioneira em língua portuguesa sobre um tema pouco explorado, até mesmo dentro da área de Ciências Atuariais, em nível internacional. Tem a vantagem de englobar as provisões necessárias a várias linhas de negócios, não se atendo apenas a uma área específica. Além disso, mesclamos o enfoque acadêmico com o enfoque profissional.

Abordamos, também, os aspectos contábeis relacionados às provisões técnicas, tema normalmente pouco explorado pela comunidade atuarial. Por outro lado, os contadores costumam achar o cálculo atuarial uma caixa-preta. Esperamos, com este livro, poder criar uma interação maior entre os atuários e os contadores.


[I][B]Essa obra chega logo no início da abertura do resseguro no Brasil, onde espera-se um mercado bastante competitivo. Qual será a contribuição do livro neste sentido?[/B][/I]

[B]CRISTINA CANTANHEDE AMARANTE MANO[/B] – As resseguradoras também devem ter suas provisões adequadamente contabilizadas e esse livro contempla todas as provisões necessárias que uma resseguradora deve constituir.

Por outro lado, em um regime de grande competição em que as margens são muito reduzidas, as seguradoras devem saber como dimensionar adequadamente as provisões técnicas, de modo a não perder competitividade por excesso de provisionamento.


[I][B]Quais vantagens as empresas podem ter ao fazerem adequadamente o cálculo das suas provisões técnicas?[/B][/I]

[B]CRISTINA[/B] – As provisões técnicas representam um instrumento fundamental na gestão de uma empresa que assume riscos. Se as provisões estiverem superdimensionadas, elas comprometem a distribuição de lucros da empresa. Por outro lado, se estiverem subdimensionadas, elas podem conduzir à insolvência da empresa.

[B]PAULO[/B] – As provisões técnicas são também importantes na determinação do volume de impostos pagos pela empresa ou a serem provisionados ou recuperados no futuro, pois influem diretamente no resultado bruto que serve de base para a tributação.


[I][B]Num momento extremamente delicado para a economia mundial, como os autores acham que as provisões técnicas podem ter um papel relevante para ajudar na solução da crise?[/B][/I]

[B]PAULO[/B] – A crise que estamos vivendo no momento é principalmente uma crise de credibilidade dos agentes econômicos. O correto dimensionamento das provisões técnicas certamente trará mais conforto para todos os entes envolvidos na operação de seguros – como segurados, acionistas, órgãos reguladores, etc. –, o que traz mais credibilidade para todo o sistema.

[B]CRISTINA[/B] – Cabe destacar que em um momento de crise, no qual falta dinheiro, podem surgir pressões para que o atuário reduza o montante de provisões técnicas. O atuário tem uma responsabilidade muito grande no dimensionamento das provisões técnicas, pois um cálculo inadequado pode comprometer os resultados de uma empresa ou até conduzi-la à insolvência.


[I][B]O binômio “seguro-risco” é um dos mais conhecidos por quem trabalha e pesquisa o segmento. A partir do lançamento do livro, está na hora dessa expressão se transformar no trinômio “seguro-risco-provisões técnicas”?[/B][/I]

[B]PAULO[/B] – As provisões técnicas são consequência do binômio “risco-seguro”. As provisões técnicas são valores constituídos por empresas ou organizações cujo produto é o risco. As provisões técnicas correspondem aos diversos compromissos futuros dessas empresas com seus clientes. Tais compromissos podem variar ao longo do tempo, sendo o exemplo mais comum o compromisso com o pagamento de sinistros, o qual pode variar bastante em função de ações judiciais. Ou seja, existe, também, um risco inerente ao próprio valor das provisões técnicas, abordado em diversas passagens do nosso livro, onde são apresentados modelos estocásticos de cálculo das provisões técnicas.


[B]Serviço[/B]
Livro: Aspectos atuariais e contábeis das provisões técnicas
Autores: Paulo Pereira Ferreira e Cristina Cantanhede Amarante Mano
432 páginas
R$ 62
À venda na Escola Nacional de Seguros – Funenseg
Informações: http://www.funenseg.org.br; (21) 3380-1556

13/05/2009 05h37

Cadernos de Seguro - Uma Publicação da Escola Nacional de Seguros © 2004 - 2017. Todos os direitos reservados.