Cadernos de Seguro

Análise

Taxas de juros e rentabilidade das seguradoras

D e 2016 para cá, a taxa de juros Selic baixou de 14% ao ano (média do ano) para 6,5%. A taxa é fixada pelo Banco Central para fins principalmente de controle da inflação e, tendo em vista o poder da autoridade monetária de compra e venda de títulos no mercado financeiro, baliza todas as demais taxas de juros da economia.

Analogamente, como esperado, o resultado financeiro do conjunto das seguradoras reguladas pela SUSEP desceu de R$ 12,79 bilhões em 2016 para R$ 9,76 bilhões em 2018, uma queda de 23,6%.

Tal decréscimo pode ser um problema ao impactar lucros e precificação de seguros. As seguradoras recebem recursos (prêmios e contribuições) em troca da promessa de indenizar os segurados sinistrados. As reservas técnicas geradas no processo são aplicadas desde logo no mercado financeiro, gerando rendimentos, enquanto, tipicamente, as indenizações se espalham ao longo da vigência das apólices. Essa peculiar defasagem temporal é fonte de lucros, mas ao mesmo tempo permite às seguradoras baratear os prêmios, pois uma receita extra de juros é obtida via investimento de reservas.

Baixe aqui a matéria completa

15/07/2019 05h27

Por Lauro Vieira de Faria

Economista e consultor da Escola Nacional de Seguros – Funenseg

Cadernos de Seguro - Uma Publicação da ENS © 2004 - 2019. Todos os direitos reservados.